Hoje neste tutorial de PHP vamos ver o que são e para que servem as tags de PHP.

Podem guardar os vossos ficheiros com a extensão .php, mas isso só não é suficiente. Claro que quando usam a estensão correcta, tal como está definido nas configurações do servidor, o PHP irá verificar esse ficheiro. No entanto somente o conteúdo dentro das tags PHP será interpretado, tudo o resto é ignorado. Desta forma podemos misturar código HTML com código PHP no mesmo ficheiro, e enquanto outras tecnologias como ASP.NET tenta separar os dois códigos, o PHP ainda incentiva a esta mistura, permitindo-nos fazê-lo de diferentes formas.

A forma mais usada e a mais correcta de usar um bloco de PHP é esta:

 

Outra versão é esta, que consiste do mesmo tipo de tags usadas por exemplo em código JavaScript:

Estas duas formas estão sempre disponíveis, no entanto muitas instalações de PHP podem estar configuradas para permitir também a versão mais curta:

 

Em alguns servidores as tags ASP também estão activas, e têm este aspecto:

 

Uma vez que nem todas estas formas são suportadas em todos os servidores, é preferível usarmos a versão completa. O mesmo se aplica à versão especial de escrita no browser, que tem este aspecto:

 

Como podem ver existem várias formas, e se estiverem a escrever código só vosso podem ter a tentação de usar as versões mais curtas. Tenham só em atenção que se mudarem para outro servidor, as últimas duas formas podem estar  desactivadas.

Dentro e fora do PHP

Ao escrevermos páginas web utilizamos naturalmente HTML em todo o lado. Desde logo há a necessidade de combinar tags HTML com o output gerado do PHP, o que é muito fácil:

 

Aqui criámos uma string que consistem em 3 partes: a tag inicial de negrito/bold, a nossa variável e a tag final de negrito/bold. O operador ponto “.“, que serve para concatenar strings em PHP, escrevemos as três partes como se fosse um só pedaço de texto.

No entanto poderíamos fazer algo deste género, basta ajustar ao pretendido:

 

Este é um pequeno exemplo, e temos bem mais HTML e texto do que código PHP. Por vezes faz sentido saltarmos do PHP, e de acordo com o manual de PHP, assim temos mais performance do que processar grandes quantidades de HTML através do PHP. Assim podemos saltar para fora do PHP, e claro que podemos voltar a saltar para dentro do PHP. O PHP é muito flexível neste ponto, tal como mostra o seguinte exemplo:

 

Como podem ver podemos saltar do PHP no meio de um bloco condicional de código. O PHP interpreta-o na perfeição. O HTML e o texto só é escrito se a $myVar tiver realmente o valor 42. Tentem alterar o valor desta variável e verão que o PHP respeita a condição mesmo com a mistura de HTML e texto.

Artigo anterior do tutorial PHP:

PHP: Hypertext Preprocessor – Introdução

Artigo seguinte do tutorial PHP:

Variáveis em PHP

Poderá também gostar de:


Tiago Ramalho

Tiago Ramalho é um profissional de Informática interessado em Internet, Programação .NET e PHP e blogging. Nos tempos livres escreve nos interessespessoais.com sobre Jardim, Saúde, Sistemas, utilitários e outros temas relacionados com informática.

More Posts - Website - Twitter - Pinterest - Google Plus

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •